quarta-feira, setembro 06, 2006

O Psicólogo É Virtual!!!

Sei que muita gente vai ralhar, achar contraditório, praguejar meu nome, chamar-me de idiota e todas essas coisas que o povo adora fazer na internet.
O que vou tentar escrever hoje é sobre como a vida "virtual" afeta a vida "real". Um monte de baboseiras organizadas (ou não) como nos textos anteriores.
O indivíduo virtualizado (desculpe, Aurélio) é um escravo de si mesmo. Ter acesso à virtualidade (foi mal, Houaiss) é, nos dias de hoje, uma necessidade. A Internet e suas armadilhas mais perigosas (Orkut, MSN, Fotolog,etc.) têm poder de vício igual ou maior do que o cigarro!
As pessoas se recriam, criam amizades, criam pontes imaginárias, estabelecem horários, modelos, linguagens tudo em nome do "ser virtual". É questão de estilo. Você é aquilo que seu nick mostra (?). Você sabe a sua importância no mundo, a partir do seu fotolog, e olhe que tudo na internet é supervalorizado, tanto o elogio quanto a crítica. Não existe "em cima do muro" no mundo internético (foi sem querer, Michaels). Ame-o ou odeio-o mortalmente.
Muitas pessoas reclamam da falta de privacidade, mas a tribo moderninha chega a pagar para aparecer. A vida não é nada além de mais um post, um "momentxinho expexial com meux miguxos", uma deprê proposital, uma penca de fãs no Orkut. Há uma ânsia incontrolável em publicar os sentimentos, as verdades sem importância, os desejos, as vaidades.
Ser virtual é ter uma boca trancada e falar pelos dedos. Falar e não falar, tudo da "boca" pra fora. Antes um smiley que um xingamento ou antes um xingamento que uma conversa conciliadora?
- Mando um vírus pra você!
Quase tudo na virtualidade (de novo, se eles podem eu também posso) é um poço lotado de superficialidade, distância e indiferença. O que realmente importa está do outro lado do computador a quilômetros de distância de quem olha o virtual. Uma vida real, cheia de sangue correndo nas veias, com sentimentos pulsando nas artérias e um corpo inquieto.
Pronto, pode reclamar. Ou melhor, criem uma comunidade no Orkut: "EU ODEIO OS TEXTOS DO VÍTOR!"

Imagem: Alvaro Ortega .... http://www.clandestina.com

Sonido: Computer Love - Kraftwerk

6 comentários:

Vítor Azevedo disse...

Porra, acho que esse foi o texto mais mal-escritos dos meus anos de "mundo virtual".
O que um dia sem almoço não faz a uma cabeça aparentemente sã?!
Quando eu penso que me superei, tem coisa ainda por vir.

Mas, considerações feitas, queria que com esse rolasse pelo menos uns desaforos. Um "contraditório" ou "hipócrita" em letras maiúsculas, já me deixaria feliz.

Estamos precisando mesmo. Esse blog anda tão sem moral. É preciso que os seres virtuais teçam suas considerações virtuais para que eu possa avaliar meu valor virtual como escritor virtual.

=D (virtualmente estou feliz!)
Até mais.

Denise disse...

.

Vítor, vai se fuder!

Se não fosse a porra da virtualidade, da merda do orkut, da vaidade exiobicionista do fotolog, eu nem teria te conhecido. Sabia nem quem era esse ser genial e loiro (contradição), nem um pouco superficial. Nunca teria lido seus textos e poemas postados nos outros blogs.

Vá se fuder, e olha o dedo "do teclado" estirado pra você:

_|_

=P

TE AMO. Na internet, isso não quer dizer muita coisa mesmo. Mas você já sentiu isso suficientemente correndo nas veias e aquecendo seu corpo e coração.

=*
.

Christian disse...

É. C tinha razão. Foi contraditório mesmo.

...

Ops... esqueci de usar a caixa alta.

...

É. C TINHA RAZÃO. FOI CONTRADITÓRIO MESMO.

tane disse...

kd o meu comentário?

tane disse...

:OOOOOOOO
:~~
poha viu.

Carols disse...

Eu não odeio os textos mas odeio Vítor por não me dizer que escreve e nem ao menos me dá o endereço!
_|_
MORRA!