quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Texto dos Outros.

Certo dia, dentro de uma caixa escura, sentiram muito medo e prometeram que ficariam sempre juntos, para cuidar um do outro. Desde então, nunca mais deixaram de ser amigos. Nunca mais se separaram. Andaram por ruas e ruas, cidades e montanhas; conheceram a textura das pedras, das poças e folhas. Juntos enfrentaram tudo (até o cocô do cãozinho) e brincaram de roda na máquina de lavar...
Quanto mais velhos ficavam, mais conheciam os remendos do outro. E quanto mais conheciam, mais se soltavam. Soltaram a palmilha, o bico e a sola. Abriram fendas para entrar a água da chuva. Até que voaram, voaram tão alto... Presos no fio, de cadarços dados, brincavam de balanço. Rodavam lentos, um de cada vez, sem acreditar nas belezas do mundo. As belezas que só agora, como sapatos do vento, conseguiam enxergar...

[Presos no fio, calçados brincar de balançar - Rodrigo Sérvulo]

Dedicado a Denise Vilar, que me "iluminou" esse singelo texto. E a Homenzinho por me deixar publicá-lo.


3 comentários:

Rodrigo Sérvulo disse...

O texto é seu, é nosso. É de João sem nome, de Maria Ninguém ou quem for. O importante é o prazer.

Deda disse...

.

"Voemos"


Então, o autor diz que depois que é publicado, o texto perde a autoria =P


E eu, além de agradecer, acho que ele ficaria bem, emoldurado no seu perfil ;)

Obrigada, Xúbz.
=***
.

Camarol disse...

Um dos poucos textos de Homenzinho que eu consigo entender.

Feliz estou.